Pesquisa realizada no Reino Unido avaliou os efeitos da doença no cérebro após adquirir sintomas prolongados; mais de 3 mil pessoas se submeteram aos testes, realizados em duas etapas entre 2021 e 2022

Por: CNN

Um estudo realizado do Reino Unido apontou que os efeitos pós-covid na atividade cerebral são tão fortes que equivalem a um envelhecimento de 10 anos. Os trabalhos apontaram que pessoas que foram infectadas pelo Coronavírus ainda poderiam ser afetadas mesmo após dois anos.

A pesquisa, divulgada no The Lancet, foi realizada pelo King’s College London e analisou o impacto da Covid prolongada em pessoas que nunca contraíram o vírus, as que se consideravam totalmente recuperadas e as que sentiam que ainda eram afetadas por ele.

Ao todo, 3.335 pessoas se submeteram às pesquisas, realizadas em duas etapas. Elas participaram de testes de desempenho cognitivo (memória de trabalho, atenção, raciocínio, controle motor) entre 12 de julho e 27 de agosto de 2021 e entre 28 de abril e 21 de junho de 2022.

O que os pesquisadores descobriram é que os participantes afetados pelos sintomas de Covid por 3 meses ou mais tiveram um desempenho pior nessas tarefas do que aqueles que apresentaram sintomas por um período menor.

O comprometimento cognitivo foi relatado após muitos tipos de infecção, mas ainda não está claro se os déficits melhoram com o tempo. Até o momento, os estudos se concentraram em indivíduos hospitalizados com acompanhamento de até um ano. A presença, magnitude, persistência e correlações dos efeitos em casos comunitários permanecem relativamente inexplorados.

Confira os detalhes sobre o estudo (em inglês) 

(Publicado por Fábio Mendes)

Anúncios