domingo, 21, abril 2024
spot_img
HomeCuriosidadesNovo exame de sangue para detectar Alzheimer gera dúvidas nos EUA

Novo exame de sangue para detectar Alzheimer gera dúvidas nos EUA

Cientistas e médicos temem que a empresa responsável pelo desenvolvimento do teste não tenha publicado nenhum estudo revisado por pares que documente a validade do exame

Por: CNN

Pela primeira vez, as pessoas preocupadas com o risco de ter a doença de Alzheimer podem solicitar pela internet um exame de sangue e receber os resultados na privacidade das suas casas.

Isto pode parecer interessante à primeira vista, mas o desenvolvimento deixou os pesquisadores e médicos da doença de Alzheimer em pé de guerra.

O exame de sangue da Quest Diagnostics, AD-Detect, mede níveis elevados de proteínas beta-amilóide, uma característica marcante do Alzheimer. Introduzido no final de julho, o teste é direcionado principalmente a pessoas com 50 anos ou mais que suspeitam que sua memória e raciocínio possam estar prejudicados e pessoas com histórico familiar de Alzheimer ou riscos genéticos para a doença.

Dado que o Alzheimer está entre as doenças mais temidas de todas as condições médicas, juntamente com o câncer, este poderia ser, de fato, um mercado considerável. Quase 7 milhões de adultos mais velhos nos EUA têm Alzheimer, e espera-se que esse número duplique até 2060 se não ocorrerem avanços médicos.

Mas os pesquisadores e médicos do Alzheimer não estão convencidos de que o teste Quest seja apoiado por pesquisa científica sólida. A possibilidade de resultados falso-positivos é elevada, assim como a probabilidade de os adultos mais velhos não compreenderem o significado dos seus resultados, dizem eles.

O teste deve ser realizado apenas sob supervisão de um médico, se for o caso, aconselham os especialistas. E, com preço original de US$ 399 (recentemente com desconto para US$ 299) e não coberto por seguros saúde, ele não é barato.

Embora os exames de sangue para a doença de Alzheimer provavelmente se tornem comuns nos próximos anos, a Associação de Alzheimer disse que é prematuro oferecer um teste deste tipo diretamente aos consumidores.

Por seu lado, a Quest, que também vende testes diretos ao consumidor para doenças sexualmente transmissíveis e várias outras condições, sugere que se pode confiar nos adultos mais velhos para responderem de forma responsável aos resultados do AD-Detect.

O teste não se destina a diagnosticar a doença de Alzheimer, sublinhou a empresa. Em vez disso, destina-se a ajudar a avaliar o risco de um indivíduo desenvolver a doença. Mas sob uma nova definição biológica proposta para Alzheimer, o excesso de amiloide poderia desencadear automaticamente um diagnóstico de Alzheimer “pré-clínico”.

Exame de sangue pode ser solicitado pela internet e resultado chega na casa do paciente que pode despois escolher se quer se consultar com um neurologista do laboratório / Getty Images/Science Photo Libra

Michael Racke, diretor médico de neurologia da Quest, disse que os indivíduos com resultados positivos podem ser inspirados a conversar com seus médicos sobre sintomas cognitivos e buscar avaliações abrangentes de especialistas em demência. Outros podem querer apenas adotar comportamentos associados à saúde do cérebro, como praticar mais exercícios e manter níveis saudáveis de pressão arterial, açúcar no sangue e colesterol.

“As pessoas que realizam testes iniciados pelo consumidor ficam muitas vezes muito motivadas para descobrir o que podem fazer para ajudar a reduzir o risco de doenças”, disse ele.

Para fazer o teste, a pessoa primeiro precisa acessar o site do AD-Detect e relatar que está apresentando declínio cognitivo leve e tem pelo menos um outro fator de risco. (Queixas desse tipo relatadas pelos próprios pacientes geralmente não são confiáveis, observam os especialistas). O pedido então vai automaticamente para um médico pago pela Quest, que solicitará um exame de sangue em um laboratório da Quest.

Os resultados que classificam uma pessoa como de baixo, médio ou alto risco serão fornecidos em um portal seguro do paciente. O acompanhamento pós-teste não é obrigatório, mas os indivíduos podem falar com um médico pago pela Quest, se desejarem. (Há uma “taxa de serviço médico” separada de US$ 13).

Uma nova pesquisa da Universidade de Michigan confirma que os adultos mais velhos levarão os resultados a sério: 97% dos idosos disseram que tomariam medidas para melhorar a saúde do cérebro ao receberem um resultado positivo em um exame de sangue, enquanto 77% disseram que considerariam mudanças nos planos financeiros ou de fim de vida.

Mas cientistas e médicos temem que a Quest não tenha publicado nenhum estudo revisado por pares que documente a validade do teste.

Os dados preliminares da empresa divulgados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer de 2022, em San Diego, sugerem que há uma probabilidade relativamente elevada de resultados falso-positivos, disse Suzanne Schindler, professora associada de neurologia na Escola de Medicina da Universidade de Washington.

Isso é um problema significativo porque dizer a alguém que ele tem alterações biológicas associadas à doença de Alzheimer é “grande coisa e você quer ser o mais preciso possível”, observou Schindler.

Racke disse que pelo menos três estudos científicos que fornecem mais detalhes sobre o teste AD-Detect foram submetidos a revistas médicas e poderão ser publicados até o final deste ano.

Os especialistas também questionam a utilidade do teste, uma vez que um resultado positivo (indicando níveis anormais de amilóide no sangue) não significa que um indivíduo desenvolverá definitivamente a doença de Alzheimer. A amilóide no cérebro acumula-se lentamente ao longo das décadas, normalmente começando na meia idade, e torna-se mais comum à medida que as pessoas envelhecem.

“Este teste dá uma resposta confusa. Não sabemos se você vai ter demência, ou quando os sintomas podem começar, ou, realmente, quão alto é o risco para qualquer indivíduo”, disse Meera Sheffrin, diretora médica da clínica Senior Care da Stanford Healthcare.

Além disso, os sintomas cognitivos que levam alguém a fazer o teste podem ser devidos a uma ampla variedade de outras causas, incluindo mini derrames, apneia do sono, problemas de tireoide, deficiência de vitamina B12 ou interações medicamentosas.

Se um adulto mais velho ficar ansioso, deprimido ou sem esperança ao saber que está em risco de contrair Alzheimer – outra fonte de preocupação – “ele pode não passar por uma avaliação mais aprofundada e procurar cuidados adequados”, disse Rebecca Edelmayer, diretora sênior de engajamento científico da Associação de Alzheimer.

A pesquisa da Universidade de Michigan confirma o potencial de mal entendidos. Ao receber um resultado positivo de um exame de sangue, 74% dos idosos disseram que acreditariam que teriam probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer e 64% disseram que provavelmente sentiriam sofrimento significativo.

Segundo pesquisa, 64% dos idosos disseram que provavelmente sentiriam sofrimento significativo se tivessem resultado positivo para pré-diagnóstico do Alzheimer / Getty Images

Como a ciência por trás dos exames de sangue para a doença de Alzheimer ainda está em desenvolvimento e porque “os pacientes podem não compreender realmente a incerteza dos resultados dos testes”, disse Edelmayer, a Associação de Alzheimer “não endossa o uso do teste AD-Detect pelos consumidores”.

O exame de sangue da Quest é um dos vários desenvolvimentos que alteram o cenário do tratamento do Alzheimer nos Estados Unidos. No início de julho, a FDA concedeu aprovação total ao Leqembi, uma terapia anti-amiloide que retarda ligeiramente o declínio cognitivo em pessoas com comprometimento cognitivo leve e doença de Alzheimer em estágio inicial.

A detecção precoce de sintomas cognitivos e o diagnóstico de disfunção cognitiva assumiram maior importância agora que este medicamento modificador da doença está disponível.

Também em julho, um grupo de trabalho convocado pelo Instituto Nacional do Envelhecimento e pela Associação de Alzheimer propôs uma nova definição de doença de Alzheimer para ser utilizada na prática clínica.

Anteriormente, a doença de Alzheimer só podia ser diagnosticada quando havia evidência de patologia cerebral subjacente (placas amiloides e emaranhados de tau), bem como sintomas cognitivos (perda de memória, mau julgamento, desorientação, entre outros) e deficiências associadas (dificuldade em gerir as finanças, perambulação, problemas com autocuidado e muito mais).

Segundo a nova definição, a doença de Alzheimer seria definida puramente em uma base biológica, como um “continuum que é primeiro evidente com o aparecimento de alterações patológicas cerebrais”, incluindo a acumulação de amiloide, de acordo com um rascunho do relatório do grupo de trabalho.

Isso significaria que “você pode obter um resultado positivo no teste Quest e ser diagnosticado com doença de Alzheimer se essas diretrizes forem adotadas, mesmo se você for cognitivamente normal”, alertou Eric Widera, professor de medicina na Universidade da Califórnia-San Francisco.

97% dos idosos disseram que tomariam medidas para melhorar a saúde do cérebro ao receberem um resultado positivo / Foto: Getty Images

A procura de avaliações de acompanhamento por especialistas em demência será provavelmente elevada e contribuirá para as já longas esperas por tratamentos, sugeriu ele.

Preocupações adicionais sobre o teste dizem respeito à salvaguarda da privacidade e ao potencial de discriminação. Nenhuma lei federal protege as pessoas que recebem resultados de biomarcadores de Alzheimer de práticas discriminatórias, como discriminação no emprego ou negação de vida, invalidez ou seguro de cuidados de longo prazo. (A Lei de Não Discriminação de Informações Genéticas aplica-se apenas a testes genéticos).

E “as leis que normalmente protegem a privacidade das informações de saúde não se aplicam neste espaço”, disse Emily Largent, professora assistente de ética médica e política de saúde na Perelman School of Medicine da Universidade da Pensilvânia.

Notavelmente, a HIPAA, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade de Seguros de Saúde, não se estende aos testes laboratoriais comercializados diretamente aos consumidores.

Resumindo: antes de fazer um teste, “os idosos precisam se perguntar: ‘Por que quero saber isso? O que farei com as informações? Como vou reagir? O que eu mudaria no futuro?’”, disse C. Munro Cullum, neuropsicólogo e distinto professor de psicologia clínica no Southwestern Medical Center da Universidade do Texas. “Este teste precisa ser usado com muito cuidado e com grande premeditação”.

*Nota do Editor: KFF Health News, anteriormente conhecido como Kaiser Health News (KHN), é uma redação nacional que produz jornalismo aprofundado sobre questões de saúde e é um dos principais programas operacionais da KFF – a fonte independente para pesquisas e jornalismo sobre políticas de saúde.

Anúncios

RELATED ARTICLES
- Publicidade -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments