segunda-feira, 20, maio 2024
spot_img
HomeCuriosidades“Ratos mochileiros” podem ajudar a resgatar sobreviventes de terremotos

“Ratos mochileiros” podem ajudar a resgatar sobreviventes de terremotos

Projeto da ONG Apopo equipa roedores com pequenas mochilas de alta tecnologia para ajudar socorristas a procurar sobreviventes entre escombros em zonas de desastre

Por: CNN

Prédios não desmoronam com muita frequência, mas quando isso acontece, é catastrófico para os que estão presos lá dentro. Desastres naturais como terremotos e furacões podem destruir cidades inteiras e, para as equipes de busca e resgate que tentam encontrar sobreviventes, é uma tarefa árdua.

Mas um salvador improvável está sendo treinado para ajudar nessas missões: ratos.

O projeto, concebido pela Apopo, uma organização belga sem fins lucrativos, está equipando roedores com pequenas mochilas de alta tecnologia para ajudar os socorristas a procurar sobreviventes entre os escombros em zonas de desastre.

“Os ratos geralmente são bastante curiosos e gostam de explorar – e isso é fundamental para busca e resgate”, diz Donna Kean, cientista de pesquisa comportamental e líder do projeto.

Além de seu espírito aventureiro, o tamanho pequeno e excelente olfato tornam os ratos perfeitos para localizar coisas em espaços apertados, diz Kean.

Atualmente, os ratos estão sendo treinados para encontrar sobreviventes em uma zona de desastre simulada. Eles devem primeiro localizar a pessoa alvo em uma sala vazia, puxar um interruptor em seu colete que aciona um bipe e depois retornar à base, onde são recompensados com um petisco.

Enquanto os roedores ainda estão nos estágios iniciais de treinamento, a ONG está colaborando com a Universidade de Tecnologia de Eindhoven para desenvolver uma mochila equipada com uma câmera de vídeo, microfone bidirecional e transmissor de localização para ajudar os socorristas a se comunicarem com os sobreviventes.

“Juntamente com a mochila e o treinamento, os ratos são incrivelmente úteis para busca e resgate”, diz Kean.

Ratos de mochilas

A entidade vem treinando cães e ratos em sua base na Tanzânia para a detecção de cheiro de minas terrestres e tuberculose por mais de uma década. Seus programas usam ratos gigantes africanos, que têm uma vida útil mais longa em cativeiro de cerca de oito anos em comparação com os quatro anos do rato marrom comum.

Embora o projeto de busca e resgate tenha sido lançado oficialmente apenas em abril de 2021, quando Kean se juntou à equipe, a Apopo estava tentando tirar a ideia do papel há anos, mas não tinha financiamento e um parceiro de busca e resgate para apoiá-lo.

Mas quando a organização voluntária de busca e resgate GEA abordou a ONG em 2017 sobre a possibilidade de usar ratos em suas missões, a equipe começou a explorar a ideia.

Um componente-chave para a missão de busca e resgate foi a tecnologia para permitir que os socorristas se comunicassem com as vítimas através dos ratos. A associação não tinha isso – até o engenheiro elétrico Sander Verdiesen se envolver.

A Apopo treina os ratos em sua base na Tanzânia, em salas que reproduzem os destroços e escombros das zonas de desastre / APOPO / Divulgação

Procurando “aplicar a tecnologia para melhorar vidas” durante seus estudos de mestrado na Eindhoven University of Technology, Verdiesen estagiou na Apopo em 2019 e foi encarregado de criar o primeiro protótipo da mochila de rato, para ajudar os socorristas a ter uma ideia melhor do que estava acontecendo dentro de zonas de desastre.

O protótipo consistia em um recipiente de plástico impresso em 3D com uma câmera de vídeo que enviava imagens ao vivo para um módulo receptor em um laptop, além de salvar uma versão de alta qualidade em um cartão SD. Ele era preso aos ratos com um colete de neoprene, o mesmo material usado para roupas de mergulho.

Verdiesen voou para a Tanzânia para testar o equipamento e diz que, inicialmente, os ratos “não sabiam realmente como lidar com isso”, mas se adaptaram rapidamente. “No fim, eles estavam apenas correndo com a mochila, sem nenhum problema”, acrescenta.

Grandes desafios para pequenas tecnologias

Com as mochilas funcionando “melhor do que o esperado”, Verdiesen continuou a refinar o design mesmo após o término de seu estágio, agora como voluntário. Mas reduzir o tamanho da tecnologia e adaptá-la para zonas de desastre não foi fácil.

O GPS não pode penetrar nos escombros densos e detritos de edifícios desmoronados, diz Verdeisen. Uma alternativa é a Unidade de Medição Inercial, um rastreador de localização usado nas solas das botas dos bombeiros.

“Se você estiver andando, seu pé ficará parado a cada passo – é aí que você pode recalibrar. Com os ratos, ainda estamos para descobrir isso”, diz ele. Outros engenheiros estão trabalhando em projetos semelhantes, então ele espera que possam encontrar uma solução.

A Verdeisen também está tentando incluir mais tecnologia na próxima versão, como um microfone bidirecional, enquanto reduz o tamanho. Pesando cerca de 140 gramas, o protótipo era duas vezes mais pesado do que se pretendia originalmente – embora Verdeisen diga que o volume era um problema maior, com 10 centímetros de comprimento e 4 centímetros de profundidade.

“Os ratos estavam andando contra algo que normalmente seriam capazes de passar e, de repente, não podem mais”, explica ele.

Para torná-lo “o menor possível” sem perder nenhuma funcionalidade, a Verdeisen planeja integrar tudo em uma única placa de circuito impresso, o que liberará mais espaço. Esta versão atualizada da mochila deve estar pronta ainda este ano, e ele espera que um dia possa ajudar os socorristas “a localizar alguém que de outra forma não seria resgatado”.

A cientista de pesquisa comportamental Donna Kean diz que os ratos são amigáveis, sociáveis e fáceis de trabalhar / Apopo/ Divulgação

Roedores ao resgate

Enquanto isso, na Tanzânia, Kean está aumentando a complexidade do ambiente de treinamento dos ratos, “para torná-lo mais parecido com o que eles podem encontrar na vida real”. Isso inclui adicionar sons industriais como perfuração para imitar emergências reais.

Até agora, os resultados são promissores: a partir de suas observações, Kean diz que os ratos estão respondendo bem às simulações cada vez mais difíceis: “Eles precisam ser super confiantes em qualquer ambiente, sob quaisquer condições, e isso é algo em que esses ratos são naturalmente bons”.

Manejados desde o nascimento, os ratos são expostos a uma variedade de ambientes, visões, sons e pessoas como parte de um “processo de habituação”, o que torna sua exposição gradual a situações mais extremas menos estressantes, de acordo com Kean.

Como os animais estão no centro dos projetos e missões da Apopo, o bem-estar é uma prioridade. Os animais são treinados em sessões de 15 minutos, cinco dias por semana, e vivem sozinhos ou com irmãos do mesmo sexo em gaiolas domésticas, que também é onde vivem seus dias quando se aposentam da vida profissional.

Com uma dieta de frutas e vegetais frescos, eles também têm brincadeiras diárias em uma sala de jogos personalizada – embora, para os ratos de busca e resgate, o treinamento seja muito semelhante, “apenas com um pouco de direção”, diz Kean.

O programa ainda está em desenvolvimento, mas Kean estima que levará pelo menos de nove a 12 meses para treinar cada rato.

Para a próxima etapa do treinamento, Kean diz que a equipe criará “níveis para imitar vários andares de um prédio desmoronado” e se aproximará de “cenários do mundo real”.

Assim que os ratos estiverem confiantes em ambientes mais complexos, o projeto será transferido para a Turquia, onde a GEA está sediada, para uma preparação adicional em ambientes mais realistas. Se tudo correr bem, os ratos potencialmente entrariam em situações da vida real.

Por enquanto, porém, Kean e a equipe na Tanzânia estão focados em colocar os ratos em sua primeira fase de treinamento – e esperando para que um dia, em campo.

“Mesmo que nossos ratos encontrem apenas um sobrevivente em um local de destroços, acho que ficaríamos felizes em saber que isso fez diferença em algum lugar”, diz Kean.

Anúncios

RELATED ARTICLES
- Publicidade -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments