domingo, 23, junho 2024
spot_img
HomeCuriosidadesConheça um peixe arco-íris e outras espécies descobertas em 2022

Conheça um peixe arco-íris e outras espécies descobertas em 2022

Criaturas e plantas anteriormente desconhecidas foram encontradas em todo o mundo, incluindo as montanhas da Califórnia, o estado de Queensland da Austrália, os picos rochosos do Brasil e os recifes de coral das Maldivas

Por: CNN

A árvore da vida cresceu em 2022. Somente os pesquisadores da Academia de Ciências da Califórnia e seus colaboradores internacionais descobriram 146 novas espécies de animais, plantas e fungos.

As criaturas e plantas anteriormente desconhecidas foram encontradas em todo o mundo, incluindo as montanhas da Califórnia, o estado de Queensland da Austrália, os picos rochosos do Brasil e os recifes de coral das Maldivas. Cientistas fizeram descobertas nos seis continentes e em três oceanos.

As novas espécies incluem 44 lagartos, 30 formigas, 14 plantas floridas, 13 estrelas do mar, sete peixes, quatro tubarões, três mariposas, duas aranhas e um sapo.

O trabalho do pesquisador Aaron Bauer na Academia ajudou a mais do que dobrar o número de espécies conhecidas dentro de um grupo de pequenas geckos (um tipo de réptil colorido) de floresta achados nas montanhas da Nova Caledônia, no Pacífico. Os 28 novos geckos bavayia que vivem em dezenas de ilhas do Pacífico Sul possuem marcas marrons e brancas semelhantes.

“Quase todas as montanhas da Nova Caledônia abrigam cada uma espécie única da família bavayia, e esses habitats compartilham muitas das mesmas condições”, contou Bauer. “O resultado são várias espécies que muitas vezes são quase indistinguíveis entre si”.

Enquanto isso, os estudantes Harper Forbes e Prakrit Jain, alunos do ensino médio em São Francisco, trabalharam com Lauren Esposito, curadora de arqueologia da Academia de Ciências da Califórnia, para descobrir duas novas espécies de escorpiões. Os alunos viram imagens das espécies não identificadas na plataforma online iNaturalist e realizaram trabalho de campo para encontrar os pequenos escorpiões, que vivem nos leitos de lagos secos das regiões sul e central da Califórnia.

Enquanto um dos escorpiões, o Paruroctonus Soda, vive num território protegido pelo governo federal, o outro, Paruroctonus conclusus, vive em uma estreita faixa de quase 2 km de comprimento que não tem proteção.

Leia Mais

“Toda a espécie pode ser destruída com a construção de uma única fazenda solar, mina ou projeto de habitação”, disse Forbes em comunicado. “O mapeamento da biodiversidade de uma determinada área pode ajudar a defender essa terra”.

Para Shannon Bennett, virologista e chefe de ciência da Academia de Ciências da Califórnia, a pesquisa de novas espécies é fundamental para identificar os ecossistemas que mais precisam de proteção.

De fato, a conservação foi um dos temas-chave na Conferência da ONU sobre Biodiversidade de 2022, realizada entre 7 e 19 de dezembro em Montreal, Canadá.

“Como vimos nas últimas duas semanas na Conferência das Nações Unidas sobre Biodiversidade, a ciência da biodiversidade está na vanguarda da ação de conservação global e é fundamental para unificar as nações e equipá-las com as ferramentas e informações necessárias para reverter as taxas de extinção de espécies até 2030”, declarou a cientista.

“Ao descobrir e documentar novas espécies, podemos contribuir para esse objetivo marcante e garantir que nosso mundo natural permaneça rico e diversificado para as próximas gerações”.

Achado nas montanhas

Julie Kierstead, outra pesquisadora associada à Academia, encontrou por acaso uma nova espécie de cebola durante uma viagem de helicóptero sobre as Montanhas Klamath, na Califórnia, em 2015. Quando o helicóptero pousou na montanha Minnesota por cerca de 30 minutos, Kierstead avistou um allium florido não identificado. O allium é da família de plantas que inclui cebolas, chalotas e alho.

Desde então, outra amostra da cebola de montanha de Minnesota foi descoberta na montanha vizinha, chamada Salt Creek. Ambos os picos recebem mais chuvas do que outros na região, o que permitiu que a cebola florescesse.

A milhares de quilômetros de distância, o pesquisador brasileiro Ricardo Pacifico e Frank Almeda, curador emérito de botânica da Academia de Ciências da Califórnia, identificaram novas plantas floridas nos picos isolados de campo rupestre, um ecossistema que faz parte do Cerrado brasileiro.

As condições adversas da região montanhosa, que inclui temperaturas extremas, ventos fortes e solos lixiviados em nutrientes, fizeram com que a vida das plantas se adaptasse – e prosperasse surpreendentemente em um ambiente tão árido.

Pacifico e Almeda encontraram 13 novas espécies de flores enquanto pesquisavam partes do ecossistema que os botânicos nunca haviam explorado antes.
“Os arbustos no cume tinham menos de meio metro de altura”, disse Pacifico. “Foi como andar por um jardim”.

As plantas floridas recém-descobertas vivem em condições muito específicas e podem desaparecer devido a mudanças ambientais impulsionadas pela crise climática, disseram os cientistas.

Sob as ondas

Um dos sete novos peixes descobertos neste ano foi o bodião de fada com véu rosa, que vive na “zona do crepúsculo” do Oceano Índico.

Conhecido pelo nome científico Cirrhilabrus finifenmaa, o peixe colorido foi encontrado em profundidades que variam de 40 a 70 metros no oceano nas Maldivas.
Os recifes da “zona do crepúsculo” podem ficar entre 50 e 150 metros abaixo da superfície do oceano e fornecem um ambiente único para peixes, como os bodiões de fadas.

O bodião de fada com véu rosa macho exibe uma variedade impressionante de cores quando adulto. Crédito: Chá Yi-Kai
O nome homenageia os impressionantes tons de rosa do peixe, bem como a rosa cor de rosa, a flor nacional das Maldivas. “Finifenmaa” significa rosa na língua dhivehi local.

Centenas de espécies prosperam nas águas próximas e ao redor do arquipélago, mas o bodião de fada é o primeiro peixe descrito por um cientista das Maldivas, Ahmed Najeeb.

“Sempre foram cientistas estrangeiros que descreveram espécies encontradas nas Maldivas, sem muito envolvimento de cientistas locais, e mesmo quando se tratava de espécies endêmicas das Maldivas”, lembrou Najeeb, biólogo do Instituto de Pesquisa Marinha das Maldivas, quando anunciou a descoberta em março.

“Dessa vez foi diferente, e começar a fazer parte de algo pela primeira vez tem sido muito emocionante, especialmente quando temos a oportunidade de trabalhar ao lado de ictiólogos de renome em uma espécie tão elegante e bonita”.

Publicidade

RELATED ARTICLES
- Publicidade -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments