Com 85 anos de seu lançamento, “Branca de Neve e os Sete Anões” merece sempre estar em evidência.

Recentemente, foi divulgada em todas as redes sociais uma imagem do novo Live action produzido pela Disney e que será baseada na clássica história da Branca de Neve. Vendo esta foto, me lembrei do clássico desenho lançado em 1937 e me deu uma vontade enorme de revê-lo.

Foi exatamente isso que fiz e depois de alguns sem assisti-la, fiquei ainda mais impressionado com a qualidade de sua animação. Levando em consideração que ela foi produzida e exibida pela primeira vez há mais de 85 anos, o filme foi revolucionário e foi um divisor de águas enorme para o mercado cinematográfico, pois o público infantil e também os adultos aficionados pela sétima arte tiveram acesso à uma mágica única, só sentida através de um desenho animado.

Todas as alegrias, angústias, medos e risadas de cada personagem são vivenciados até hoje pelo público com muita verdade e não há como não se emocionar durante os 80 minutos do longa, afinal, tudo o que está presente neste filme traz um simbolismo lindo para quem é apaixonado pela Disney.

A relação de afeto construída entre Branca de Neve e os sete anões é tão bem construída que até hoje não conseguiram fazer algo similar no cinema.

Além de muito romance, há várias e várias cenas de humor presentes no filme e o mais incrível disso é que na maioria delas, não foi preciso dizer nenhuma fala sequer, pois a combinação dos movimentos de cada desenho com a trilha sonora foi muito bem feita e trouxe muitas gargalhadas para cada um que ficou sem piscar durante todo o tempo da obra (há que se destacar como o Dunga é maravilhoso neste quesito).

Inclusive, é preciso falar sobre as músicas lindas e que ecoam em nós até hoje, tenho certeza que várias lágrimas surgiram em seus olhos na cena em que os anões cantam “Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou” e que seu coração tenha ficado quentinho ao escutar o canto doce de Branca de Neve. Só pela trilha e pela dublagem brasileira irretocável, eu já consigo considerar dar nota 10 para todo o filme.

A relação construída entre a princesa e todos os anões (principalmente com o amolecimento do coração de Zangado) também é cercada de afeto e isso é um dos maiores destaques, pois te coloca ainda mais próximo da história, como se estivéssemos dentro daquele universo e vivenciando todos os acontecimentos, incluindo o momento do disfarce da rainha má, o momento mais tenso para mim.

O clímax do longa pode te emocionar (e muito!)

O encontro do príncipe com Branca finaliza com chave de ouro uma história que transformou a forma de fazer cinema e que com certeza abriu inúmeras portas para que crianças fossem educadas a curtir a sétima arte. É por isso que “Branca de Neve e os Sete Anões” deve sempre ser reverenciada.

Gostou do post? Nos siga no Instagram (@culturalmundo) e fique sabendo de tudo sobre o blog, além de conteúdos exclusivos.

Anúncios